quarta-feira, 24 de outubro de 2012

O poder das Palavras





Mateus 18:18”Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu”

Provérbios 18:21 “A língua tem poder sobre a vida e sobre a morte; os que gostam de usá-la comerão do seu fruto.”

Provérbios 13:3”O que guarda a sua boca conserva a sua alma, mas o que abre muito os seus lábios se destrói”

Resolvi iniciar nosso estudo de hoje falando sobre essas três passagens bíblicas onde além de mostrar o poder da língua, fala também da responsabilidade das coisas que saem da nossa boca são ligados no céu. Em estudos anteriores aprendemos o quanto à língua é um pedacinho do corpo que pode causar muito o bem, porém quando mal usada causa somente desgraça.

Através da língua expressamos nossos pensamentos, tudo isso através das Palavras. De acordo com a Wikipédia Palavra é um conjunto de letras ou sons de uma língua.
A palavra boa é como medicina, ela traz cura. Uma pessoa está abatida, triste, desanimada, aflita, sem sonhos, e, de repente, alguém chega com uma palavra oportuna, apropriada, essa palavra é como um bálsamo do céu traz um novo ânimo e um novo alento. Entretanto, somos testemunhas de pessoas, famílias e mesmo comunidades que são minadas e destruídas por palavras insensatas. Há palavras que ferem mais que uma espada afiada.
Uma palavra pode levantar ou levar ao fracasso. Uma palavra pode trazer refrigério ou culpa. Uma palavra pode curar, mas também, pode causar enfermidades. Se tivéssemos noção do quanto existe poder em nossas palavras, seríamos mais cautelosos ao falar, mais precavidos, mais prudentes, mas oportunos.
É interessante, mas o exercício de uma fé genuína passa necessariamente pela maneira como falamos. O nosso falar revela como exercitamos a nossa fé. Somos convidados por Tiago para refletir sobre a importância de nossas palavras e o peso que as mesmas têm. Isto influencia nossas amizades e relacionamentos em geral.
As palavras tem poder. Nossa língua pode ser um instrumento de vida ou morte. De alegria ou tristeza.
Alguém tem duvida do poder da língua? Quantas vezes já ficamos envergonhados de falar aquilo que não deveríamos ter falado, na hora em que não deveríamos ter falado, com a  pessoa que não deveríamos ter falado, com intensidade e o volume da voz que não deveríamos ter usado.
Uma palavra falada é como uma seta lançada, não tem jeito de retorná-la. É como um saco de penas soltas do alto de um monte, não podemos mais recolhê-las.

Dois exemplos históricos nos são suficiente para compreender acerca do poder da língua. Em agosto de 1963, mais de 200.000 pessoas se reúnem numa das maiores concentrações dos  EUA. Martin Luther King pronuncia o famoso sermão “Eu tenho um sonho”. Influenciado pelas palavras deste pastor, o governo americano sancionou a lei dos direitos civis, de igualdade entre as raças. Uma palavra abençoadora. Um exemplo negativo foi de Hitler que mobilizou uma nação inteira pelo poder da palavra, trazendo grandes prejuízos.

 Hoje meu foco principal não é falar somente das coisas boas que a nossa boca pode falar através da língua. Quero enfatizar os erros que a nossa língua faz e que na maioria das vezes trás desgraça para quem fala e para quem ouve.

Já compreendemos que o inimigo não dorme no ponto, com isso vemos também que ele se infiltra em pequenas coisas. E tudo isso não é diferente nas palavras.
As palavras tem um poder muito grande de influenciar pessoas, influenciar as atitudes dessas pessoas.
Segue abaixo o exemplo de algumas palavras usadas muitas vezes por mero acaso, que na maioria saem da nossa por brincadeira, ou quando uma mãe chama a atenção do filho, etc:

*BACANA: Uma palavra aparentemente inocente, porém se pesquisarmos sua origem encontramos uma que se origina do deus romano Baco. Seus contemporâneos anos mais tarde construíram um templo para adorá-lo, os rituais de seus cultos constituíam na ingestão de muito vinho, glutonarias, e práticas de sexo livre. Surge então a palavra bacana, que era aquele que adorava ao deus Baco com suas práticas libertinas. Segundo nosso contexto, alguém bacana é Hoje nos referimos a uma pessoa boa. Entretanto, quando alguém se refere a outrem como bacana, não está lhe fazendo um elogio, mas pelo contrário, está dizendo que este é um praticante de culto a Baco, ou seja, praticante de prostituição, ou um prostituto.


*MOLEQUE: Palavra usada para descrever um menino, ou uma atitude. Porém essa palavra também vai muito além do que pensamos. Moloque na Bíblia era o deus do fogo dos amonitas, como Camos era dos moabitas.

1 Reis 11:33
Farei isso porque eles me abandonaram e adoraram os postes sagrados, deusa dos sidônios, Camos, deus dos moabitas, e Moloque, deus dos amonitas, e não andaram nos meus caminhos, nem fizeram o que eu aprovo, nem obedeceram aos meus decretos e as minhas ordenanças, como fez Davi, pai de Salomão. 

 Sacrifícios humanos e provas de  fogo eram alguns dos meios que se empregavam para tornar propícia aquela divindade. Os israelitas foram avisados contra este culto com ameaças de terríveis castigos. Aquele que oferecesse o seu filho a Moloque devia ser morto por apedrejamento conforme podemos ler em Levítico 18:21; 20:2 a 5.
Fazer passar o filho ou a filha pelo fogo, em adoração de Moloque era matar a criança e depois oferecê-la em holocausto à maneira de mesa como descrito em 2 Reis 23:10 e 13. O sacrifício de crianças não era somente expiatório, mas também purificatório; por ele se supunha que as vitimas eram assim purificadas da imundícia do corpo, alcançando então a união com as forças divinas.
A aparência de Moloque era de corpo humano com a cabeça de boi ou leão, no seu ventre havia uma cavidade em que o fogo era aceso para consumir sacrifícios. Muitos povos adoravam a Moloque, e acreditasse, porém que com o fortalecimento do povo Hebreu e de outros reinos, estes povos foram desaparecendo, deixando assim o costume de adoração a Moloque.
Moleque é um nome usado por demônios, e se for analisar na umbanda e no candomblé você pode enxergar por nome de exu mirim que é um demônio travesso.

*DANADO: Danado, muito comum no Brasil, mas seu significado é condenado ao inferno. (Dicionário Aurélio).

Vimos acima como somente algumas palavrinhas aparentemente tão simples podem significar tantas coisas.
Podemos ver abaixo mais alguns exemplos de frases que falamos muitas vezes sem pensar que podem trazer maldições não só em nossas vidas, mas na vida de varias pessoas:

-Sou uma pessoa tão burra...Eu não sirvo para nada...
- Como sou desastrado (a)... Vou morrer na miséria...
- Eu sou um (a) imbecil... Como sou idiota...
- Para mim nunca dá certo... Não Há ninguém mais desastrado...
- Pobre nasceu pra sofrer... Meu corpo é horrível...
- Não sou capaz de nada... Etc...
Nossas palavras movimentam o mundo espiritual. As palavras são sementes que podem germinar vida ou morte.
 Como temos usado nossas palavras? 

-“A língua pode contaminar o corpo inteiro” – “Colocar em chamas toda a existência da carreira humana” (Tg. 3:6-10).
Abaixo temos uma serie de expressões que devem ser banidas do nosso vocabulário, pois as mesmas podem trazer morte espiritual e opressão sobre a vida de quem as lançarmos;

Imbecil, Canalha, Vadio, Burro, Jumento, Desgraçado, O diabo que te carregue, Vai pro inferno, Isso é mal de família, Esse menino é igual ao pai, Estou com as macacas ( quer dizer, estar possesso por demônios ), Doida varrida, Moleque ( é uma variação de Moloque ), Danado ( quer dizer, imundo, nas trevas ), Hoje é o meu dia de azar, Pobre nasceu pra sofrer, Estou com uma fome dos diabos, Um dia você me paga, Você vai se casar e o seu marido vai fazer a mesma coisa que o seu pai fez comigo, Seus filhos um dia farão o mesmo com você, Você vai passar fome, Você que se dane, etc.

Uma palavra inapropriada pode trazer consequências incalculáveis às pessoas, podendo permanecer por anos e anos  no coração. Não há dúvidas acerca do poder da palavra. A língua pode ser uma espada ou uma alavanca.
O exercício da fé cristã tem haver com aquilo que falamos e como falamos. Por isso, devemos exercitar nossa fala para que ela venha ser instrumento de bênção na vida de outras pessoas. Até porque a palavra tem poder.

Vejamos o ensinamento de Tiago a respeito da fala.

1- A língua tem o poder de dirigir
A língua tem o poder de dirigir tanto para o bem como para o mal: 
Tiago 3. 3-4 “Quando colocamos freios na boca dos cavalos para que eles nos obedeçam, podemos controlar o animal todo. Tomem também como exemplo os navios; embora sejam tão grandes e  impelidos por fortes ventos, são dirigidos por um leme muito pequeno, conforme a vontade do piloto.” 
Tiago usa duas figuras para mostrar o poder da língua: o freio e o leme. Um animal indócil não pode ser útil, antes, é perigoso. Mas, se colocar freio nesse cavalo é possível conduzi-lo para onde se quer. Assim, Tiago nos informa que a língua é do mesmo jeito. Ao conseguirmos controlar a língua, você também conseguirá dominar os impulsos e canalizar toda a sua vida para um fim proveitoso.
Outra figura utilizada por Tiago é a do leme. Um navio transatlântico é dirigido para lá e para cá, pelo timoneiro, por meio de um pequeno leme. Sem leme, um navio seria instrumento de morte, de naufrágio, de loucura. Da mesma forma, é com a língua. A saber, se não controlarmos a nossa língua, seremos como um transatlântico sem leme e direção. Se não controlarmos nossa língua, vamos nos arrebentar nos rochedos; vamos nos destruir e vamos ainda destruir quem está perto de nós, porque a língua tem o poder de dirigir para o bem ou para o mal.
Portanto, o nosso falar precisar ser ponderado: 

Provérbios 29.20 “Você já viu alguém que se precipita no falar? Há mais esperança para o insensato do que para ele.” 

Por vezes, ferimos as  pessoas porque nos precipitamos ao falar, ao fazer julgamentos, ao rotular e etc. As palavras que saem dos nossos lábios tem o poder de dirigir nossas vidas.

2- A língua tem o poder de destruir
Tiago não somente nos alerta para o fato do poder de direção da palavra, mas também, de destruição:

Tiago 3.5-8 “… a língua é um pequeno órgão do corpo, mas se vangloria de grandes coisas. 
Vejam como um grande bosque é incendiado por uma simples fagulha. Assim também, a língua é um fogo; é um mundo de iniquidade. Colocada entre os membros do  nosso corpo contamina a pessoa por inteiro, incendeia   todo o curso de sua vida, sendo ela mesma incendiada pelo inferno.  Toda espécie de animais, aves, répteis e criaturas do mar doma-se e tem sido domada pela espécie humana; a língua, porém, ninguém consegue domar. É um mal  incontrolável cheio de veneno mortífero“.


Mais uma vez Tiago usa duas figuras, uma do fogo e a outro do veneno. O fogo uma vez iniciado e alastrado, torna-se indomável, deixando para trás grande devastação. Assim é o poder da língua. Onde um comentário maledicente se espalha, onde a boataria cresce, onde a fofoca se infiltra como labaredas de fogo, vai se alastrando e provocando destruição : 

Provérbios 26.20 “ Sem lenha a fogueira se apaga; sem o caluniador morre a  contenda”. 

Assim como o fogo cresce, espalha, fere, destrói e provoca sofrimento, prejuízo e destruição assim também é o poder da língua.
Muitas vezes, fazem-se comentários acerca de uma pessoa ou mesmo de uma determinada situação, em um tom de fofoca, com aspereza, com rancor, mágoas, mas não podemos imaginar o que uma palavra irrefletida, mal colocada, pode provocar na vida de uma pessoa. Por quê? A língua contamina, fermenta, joga uma pessoa contra a outra.
Exercitar a fé cristã é preocupar-se com aquilo que falamos. Usarmos nossos lábios com alegria, sim. Mas também, com responsabilidade. Para a construção e não destruição.

3- A língua tem o poder de deleitar
Tiago conclui seu ensino acerca do poder da língua, declarando que a mesma tem o poder de trazer o deleite, isto é, o prazer, o bem-estar, o refrigério e etc.: 

Tiago 3. 9-12“… Meus irmãos, não pode ser assim! Acaso podem sair água doce e água amarga da mesma fonte? …pode  uma figueira produzir azeitonas ou uma videira, figos? Da mesma forma, uma fonte de água salgada não pode produzir água doce.” 

 Na Palestina, região árida e seca, quando se fala em fonte, fala-se de um lugar muitíssimo preciso. A fonte é um lugar onde os sedentos, os  cansados chegam e encontram alento, vida, força, ânimo e coragem para prosseguir. A ideia do escritor é o que uma fonte é para aqueles que estão com sede, assim é uma palavra para aqueles que assim necessitam. É uma palavra boa, que traz alento em meio ao cansaço; traz esperança em meio ao desespero; traz vida no portal da morte.
Podemos usar nossas palavras como uma fonte de refrigério para as pessoas, para abençoá-las, encorajá-las e consolá-las. Como é precioso trazer uma palavra boa, animadora e restauradora para uma alma aflita! Uma das características de Jesus era que sempre que  uma pessoa chegava aflita perto dele saía animada, restaurada, com novo entusiasmo pela vida. Quando as pessoas chegam perto de nós, elas saem mais animadas e encantadas com a vida? Saem cheias de entusiasmo? Saem revigoradas e fortalecidas?


Podemos alimentar as pessoas com uma palavra boa, uma palavra vinda do coração de Deus, uma palavra de consolo. Portanto, através das nossas palavras, podemos dar sabor à vida das pessoas pela maneira como nos comunicamos. Desta maneira, devemos então, à medida que usamos nossa língua, proferimos palavras para promoção da saúde, como fontes de águas limpas, estamos exercitando a nossa fé.
E você tem prestado atenção às coisas que fala?
Tem pensado antes de falar?
Tem falado como Jesus falaria?

Reflitam sobre tudo que conversamos e examinem realmente para o que sua boca tem sido usada: Para proferir da palavra de Deus ou sua boca tem servido de instrumento para Satanás?

Mateus 12:36-37

Biblia Sagrada-Almeida Corrigida e Revisada Fiel
http://www.estudosgospel.com.br
http://www.ipiourinhos.org.br/bin/wordpress/?p=3684



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário